Entenda a História dos Tigres Asiáticos


Esta era uma expressão utilizada para denominar alguns países do continente asiático que apresentaram uma taxa de desenvolvimento significativa entre o após Segunda Guerra Mundial e meados dos anos de 1990.

A forte crise por eles enfrentada entre meados de 1997 e 1999 acabou retirando da mídia a expressão Tigres Asiáticos desde então.

Em particular três países ganharam maior destaque naquele período: Cingapura, Coréia do Sul e Malásia.

Mas o que foi esta crise? Em que situação encontra-se hoje a economia desses países? Após os anos de 1970 alguns países asiáticos começaram a ampliar de forma agressiva suas exportações, principalmente em produtos manufaturados, conseguindo, assim, ganhar novos mercados.

Do ano de 1976 até os dias atuais Hong-Kong e China começaram a destacar-se bruscamente no comércio mundial até chegar ao ponto de “substituir” os países mencionados anteriormente. No segundo semestre do ano de 1997 o Sudeste e o Sudoeste Asiático não suportaram dar continuidade ao forte desenvolvimento acelerado que vinham apresentando e acabaram por apresentar sérios problemas na permanência da competição mercadológica.

Isto resultou em uma forte turbulência nas economias locais, onde moedas e mercados acionários, com a forte baixa registrada, acabaram por provocar um intenso congelamento do milagre de crescimento da Ásia e as mentes acabaram por simplesmente se concentrar na sobrevivência.

Assim o “boom” econômico da região se deu entre meados da década de 1960 até meados da década de 1990. No período, as economias asiáticas começaram a obter altas taxas de crescimento (em termos de renda per capita real, chegaram a alcançar uma média superior a 6% durante esse período, mas atualmente podemos perceber que no caso específico da China, a mesma já ultrapassou os 11% anuais) apresentando um brusco aumento no consumo de bens e fortes melhorias nas áreas da saúde, expectativa de vida e educação.

A crise que atingiu os então Tigres Asiáticos alastrou-se até o ano de 1999 e resultou em uma desvalorização monetária, na baixa acentuada de suas Bolsas de Valores, na interrupção do crescimento econômico e até na queda de governos, como foi o caso da Indonésia em 1998. Vencida a crise, os países encontram-se atualmente com suas economias sustentáveis e, entre os mesmos, o que obtém maior destaque é a Coréia do Sul.

Sua economia é a décima segunda maior do mundo, a décima quarta na paridade do poder aquisitivo e a terceira maior da Ásia, ficando atrás apenas da China e do Japão. Sendo o principal país dos Tigres Asiáticos, atingiu um rápido crescimento econômico com a exportação de manufaturados, e destaca-se por sua inflação moderada, baixo nível de desemprego, altos índices de exportações e boa distribuição de renda.

Cingapura tem tido expressivo crescimento econômico baseada no capitalismo financeiro e industrial e assim como os demais países dos da região, suas principais exportações são máquinas e equipamentos de última geração.

O país é extremamente pequeno, sem recursos naturais e sem espaço para agricultura, tornando-se extremamente dependente de capital externo, particularmente nas áreas alimentícias, energéticas e de matéria - prima. Mas o que o destaca dos demais “tigres” é o alto índice de alfabetização, tendo mais de 95% dos habitantes com aptidões tanto na leitura quanto na escrita.

O excelente nível de escolaridade dos habitantes aliado à forte força sindical não permite a mão - de – obra barata. A Malásia é um país aspirante a “tigre”, tendo como maiores investidores externos os próprios Tigres Asiáticos. Após a década de 1970 o país deixou de ser um fornecedor de matérias - primas e pertencente a uma economia emergente e multi - setorial. As exportações, principalmente de produtos eletrônicos, foram os responsáveis pelo destacável crescimento obtido pelo mesmo, tendo como principais investidores os EUA, a China e o Japão, e conseqüentemente tornando a Malásia dependente do crescimento econômico destes países. Hoje são notáveis o ótimo nível das reservas externas, a baixa inflação e a reduzida dívida externa. Estas são as forças que blindam o país e deixam remotas as possibilidades de uma nova crise como a que o atingiu,juntamente com a região em 1997.


Texto de Tatiana Camila Simon
Acadêmica do 6ª semestre do Curso de Economia da Unujuí

Tigres da economia


Tigres Anatolianos (economia) Denizli • Gaziantep • Kayseri • Bursa • Kocaeli • Kahramanmaraş
Tigre Andino Peru (economia)
Tigres Asiáticos Coreia do Sul (economia) • Honguecongue (economia) • Singapura (economia) • Taiuã (economia)
Novos Tigres Asiáticos Filipinas (economia) • Indonésia (economia) • Malásia (economia) • Tailândia (economia) • Vietnã (economia)
Tigres balcânicos Bulgária (economia) • Sérvia (economia)
Tigres bálticos Estônia (economia) • Letônia (economia) • Lituânia (economia)
Tigre dos Cárpatos Roménia (economia)
Tigre Celta Irlanda (economia)
Tigre do Golfo Pérsico Dubai (economia)
Tigre Nórdico Islândia (economia)
Tigre Setentrional Canadá (economia)
Tigre das Tratas Eslováquia (economia)
Bibliografia:Site de busca wikipédia
Adaptado por Jonathan Franklin

0 comentários: